Início Extremos das Américas 4a. Temp. – Ep. #2 – México – De Tijuana a Missiones

4a. Temp. – Ep. #2 – México – De Tijuana a Missiones

105
0
COMPARTILHAR
Texto: Juli Hirata

Juli Hirata: “Em Tijuana, uma serie de acontecimentos me deixaram insegura em ir ate a praia. Um monte de carros da policia com homens armados na caçamba e uma correria me deixaram um tanto assustada e por essa razão mudei minha rota para sair da cidade.
Para sair de Tijuana peguei o caminho das montanhas para então entrar na MEX1 a estrada federal que leva a Rosarito”.

Cicloaventureiro: Era o primeiro dia de pedalada de Juli Hirata no México e ela estava com os sentidos em alerta máximo, entretidas com os grandes contrastes, em relação ao pais vizinho.

Do lado Americano, a paisagem esta nua e despida de qualquer vegetação ou edifícios, e e sobrevoada constantemente por helicópteros americanos. No lado sul, as casas da gigantesca cidade de Tijuana, sobem a paisagem ate poucos metros do muro metálico.

Juli Hirata segue atenta por asfaltos de trafico relativamente Rápido, neste momento de nervosismo ao enfrentar a realidade das caóticas estradas mexicanas.

Imagem: Juli Hirata passando pelo Hotel La Costa Plaza

Juli Hirata: “Do momento que sentei no selim ate chegar na estrada propriamente dita, pedalei tensa, entre caminhões e ônibus que passavam perto em ruas sem nenhum espaço para compartilhar.

Ao chegar na auto estrada, mesmo que feia e rápida, ter ali asfalto bom e acostamento largo foi um alívio enorme e dali só pensava em ver o mar”.

Foto: Juli Hirata “Borboletinha contemplando o belo asfalto”

Cicloaventureiro: “E pouco a pouco a imagem da imponente parede de metal e arame farpado, que se estendia pelo horizonte, começa a desaparecer por detrás das montanhas”.

Foto: Juli Hirata “O Imponente Mar do México”

Juli Hirata: O oceano pacifico, frio e selvagem, minha primeira vez vendo esse oceano tão lendário. A estrada de acostamento largo, a temperatura boa e a empolgação para ver o oceano me encheram de uma felicidade que não conseguia conter, e que transbordava em forma de gritos, braços pra cima e musica. Eu canto mau, eu sei mas eu canto pra estravar essa alegria que alguns momentos na estrada nos fazem explodir de alegria e plenitude como esse dia do vídeo.
Espero que vocês curtam esse segundo episódio de México, foi um dia muito especial pra mim e quando de verdade, pela primeira vez, me senti de corpo e alma nesse país incrível.

Texto Por Juli Hirata e Cicloaventureiro

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor coloque seu nome aqui